home
empresa
conceito
portifólio
NewTv no ar
entrevistas
blog
fale conosco



under construction voltar


Conteúdo televisivo feito para celular

27/10/2005

Consultor afirma que tecnologia não é um obstáculo, o desafio está na regulamentação.


Marcelo Godoy
Daniel Reis


A assunto da entrevista do último newTV foi “TV no celular”. Esse tema é motivo de debates ao longo de todo o mundo, pois não se restringe apenas a questões técnicas de transmissão, vai além, centra-se também em implicações legais. Por exemplo, há impasses até mesmo sobre direito de uso de imagens.

Graças a evolução da tecnologia móvel, a programação televisiva na telinha é uma tendência inevitável. Mas como acontecerá o controle do conteúdo exibido, haverá censura? Que tipo de legislação coordenará a veiculação de conteúdos? As regras do jogo ainda não estão claras, mas o progresso nunca espera. A Coréia é uma prova disso, já que conteúdos exibidos pela telinha se tornam cada vez mais fortes. Lá os usuários assistem até filmes.

E quem conversou sobre tudo isso e clareou a visão dos internautas sobre o assunto foi o consultor Julio Omi. De seu vasto currículo destaca-se atividade como consultor da universidade Mackenzie para implementação da TV Digital e sua participação como membro da União Nacional de Telecomunicação.


- newTV - Essa é uma realidade para nós brasileiros?


- Júlio Omi - Sim já há serviços na TIM e na Vivo. No momento é um serviço gratuito quem tem celular preparado para receber sinais e vídeo pode assistir por uma área bastante limitada, na cidade de São Paulo.

- newTV - Tem alguma diferença para o usuário ser CDMA ou GSM?

-Omi - Essa questão da tecnologia envolvida, acho que não é tão importante. No caso de celulares é importante que a tecnologia seja de 3ª geração. 

- newTV - O que é 3ª geração? 

-Omi - A União Nacional de Telecomunicações, em 1999, definiu um sistema chamado de Internacional Mobile Telcomunication 2000 (IMT 2000). Esse sistema previa que o usuário em alta mobilidade recebesse o sinal em 144 Kbits. Já em mobilidade normal 384 Kbits e para o celular parado 2 megabits. O mercado convenciona chamar essa tecnologia de 3G ou 3ª geração. Você pode encontrar os 2G ou 2,5G, eu prefiro falar IMT 2000.

- newTV - Aqui no Brasil vai ter uma licença para as pessoas usarem o IMT 2000?

-Omi - A Vivo usa CDMA 2000. Assim como a TIM usa um sistema evoluído do GSM que se chama EDGR, ambas tem capacidade de transmissão.

- newTV
- Como funciona a transmissão do sinal para o celular?

-Omi - quando você conversa com uma pessoa, o sinal da voz é transmitido por torres espalhadas ao longo de toda a cidade. Isso funciona tanto para voz, como para dados. Pode ser streaming ou recolhido como dados por usuários e eles decidem como vão usar.

- newTV - Você sabe quais as emissoras que podem usar esse sinal e quais as empresas de Telecomunicações que também podem, há uma questão jurídica.

-Omi - É um questão de regulamentação. No mundo inteiro o serviço não está muito claro, por isso esse é um assunto muito debatido. Nesse momento exato nós não temos no Brasil, e poderia dizer que no mundo inteiro, um modelo de negócio muito claro. Existem modelos por áreas de negócios, como TVs e empresas de telecom, assim como empresas de telefonia celular têm interesses específicos.

- newTV - O que a gente não tem duvida é que o usuário quer assistir TV no celular.

-Omi - Acredito que sim, existe bastante mercado para isso. Na Coréia isso pegou, mesmo os americanos e os europeus estão muito interessados nesse sistema.

- newTV - Qual a diferença entre broadcast e serviço de telecomunicação?

-Omi- No caso da Vivo e TIM elas entram na categoria de celular, o que não é Broadcast. O serviço de broadcast tem uma regulamentação de veiculação de conteúdo. Empresas de Broadcast tem a obrigação de trafegar conteúdo nacional.

- newTV - Você determina faixa etária, censura...

-Omi- Exatamente o que aconteceria com a transmissão por celular nesse caso, se ele não é broadcast ele não precisa seguir essa regra. Poderia transmitir qualquer conteúdo de qualquer momento, pois ele não está amarrado na regulamentação do broadcast. Essa é uma questão muito importante, pois vai impactar no modelo de negócio dessas empresas. Isso depende muito da regulamentação de cada país.

- newTV - Tem uma aspecto super importante que é o direito autoral. Por exemplo, uma pessoa vem para o Brasil, coloca seu conteúdo na home e depois volta para seu país de origem. Aquele conteúdo que foi gerado no Brasil está teoricamente restrito ao direito autoral nacional, mas como é móvel ele levou para outro país . Então quando você está vendendo uma transmissão, hoje em dia, ela pode não ser mais local, transforma-se em mundial.

-Omi- Você toca numa questão muito importante. Isso é um problema principalmente da Internet. É uma coisa muito aberta, conexão mundial, todos em acesso e realmente é bastante complicado.

Eu sou de origem nipônica, minha mãe quer assistir TV japonesa. Às vezes a gente está assistindo notícia e aparece uma imagem do monte Fuji, dizendo que não podemos transmitir a imagem dessa notícia por questão de direito autoral.
Eles fazem noticiário sobre esporte e só vem o som, não vem a imagem. Eles pagam os direitos para que essa imagem seja transmitida lá no Japão, mas não internacionalmente.

- newTV - E o que vai ser dos satélites?

-Omi- As comunicações por satélites estão sendo substituídas por fibras. Houve tentativas no passado, alguns anos atrás, de se colocar satélite para você ter um sistema mundial, para conversa ou transmissão de dados.

Eu como participante da União Nacional de Telecomunicações, vi passar por lá várias faixas de freqüência, nos não tivemos nenhum sistema que teve grande sucesso. Continua os sistemas geoestacionários, mas a tendência futura são os sistemas de baixa órbita e com dezenas de satélites, pelo menos, e cobrindo o mundo de uma forma global.

- newTV - O que é Media FLO?

-Omi- Existe uma empresa famosíssima na área de celular, a detentora da tecnologia CDMA, Qualcomm. Recentemente ela se interessou por essa área e criou esse serviço, que oferece imagens em terminais pequenos.

- newTV - Hoje, por exemplo que alguém quisesse fazer uma transmissão por celular ele conseguiria?

-Omi- Se você tem um acordo com a operadora de celular o que provavelmente acontecerá é que você não vai estar transmitindo diretamente para o ar via rádio. Você primeiro vai entregar o sinal de alguma forma para operadoras de celular, ela coloca no ar.

- newTV - Você tem que encodar em algum software especial?

-Omi- Mesmo a allTV deve fazer isso. A imagem deve ser codificada, comprimida de alguma forma e entregue para a operadora de celular. A operadora vai colocar no ar via wireless modulada. São tecnologias acessíveis.

Fonte: Redação

 

 






Guest